m/glpbb7a/odhnldmus/postagensrelacionadasparablog.js' type='text/javascript'/>

01 setembro 2016

Resenha: EU SOU A LENDA ❤ Richard Matheson

| |
Foto: Reprodução/Eu sou a lenda
Título: Eu sou a lenda
Autor (a): Richard Matheson
Editora: Aleph
Número de páginas: 384

        Sinopse:

 "Uma impiedosa praga assola o mundo, transformando cada homem, mulher e criança do planeta em algo digno dos pesadelos mais sombrios. Nesse cenário pós-apocalíptico, tomado por criaturas da noite sedentas de sangue, Robert Neville pode ser o último homem na Terra. Ele passa seus dias em busca de comida e suprimentos, lutando para manter-se vivo (e são). Mas os infectados espreitam pelas sombras, observando até o menor de seus movimentos, à espera de qualquer passo em falso... Eu sou a lenda, é considerado um dos maiores clássicos do horror e da ficção científica, tendo sido adaptado para o cinema três vezes."



"O mundo ficou louco, pensou. Os mortos andam por aí e eu acho isso normal."


   Robert Neville é o último homem na Terra após uma epidemia contaminar a humanidade com um germe que transforma as pessoas em criaturas noturnas sedentas de sangue, que posteriormente o personagem nomeia 'vampiris'. Robert perdeu a mulher e a filha para a praga e continua morando em sua casa, que é movida a um gerador e cercada de alho. Todas as noites seu antigo vizinho o convida para sair e as vampiras se insinuam para que ele as deixe entrar na casa.

   Mas não se engane, esse não é um livro sobre vampiros, ele é um livro sobre solidão. Neville passa seus dias fortificando a casa, pesquisando sobre o germe, tentando sobreviver e principalmente manter a sanidade. 


   O livro mostra os anseios de Robert, seu refugio no álcool, sua tentativa desesperada de conquistar e cuidar de um cachorro vira lata e posteriormente de uma mulher misteriosa chamada Ruth, que pode ou não ser imune ao germe.


   Publicado originalmente em 1954, o livro é poético e nos transporta para o mundo do personagem, nos fazendo sentir na pele que o mais assustador não é estar rodeado de vampiros, mas estar sozinho.