m/glpbb7a/odhnldmus/postagensrelacionadasparablog.js' type='text/javascript'/>

17 junho 2017

Resenha: O Ar que Ele Respira ♥ Brittainy C. Cherry

| |
Foto: Divulgação/O Ar que Ele Respira
tulo: O Ar que Ele Respira
Autor: Brittainy C. Cherry
Editora: Record
Páginas: 308
Avaliação:★★


"Às vezes, a pior parte de existir sem a pessoa que amamos é ter que se lembrar de respirar."
   Tristan Cole vive feliz com sua esposa Jamie e o filho Charlie. Para completar essa alegria, ele está prestes a realizar o sonho de criar e vender suas peças de mobília artesanal em uma parceria com o pai. Ele se despede empolgado e viaja à Nova York para fechar negócio, sem imaginar que horas mais tarde perderia sua família e sua razão de viver em um grave acidente de carro.
   
    Destruído, ele se fasta de tudo e tenta conviver com a dor.

   "Num piscar de olhos, num breve momento, tudo que eu sabia sobre a vida mudou."

   Elizabeth tenta seguir em frente após a morte do marido Steven e a única coisa que não a deixa desmoronar é sua filha Emma, uma esperta garotinha de 5 anos.

   Depois de ficar um ano na casa da mãe, fugindo das lembranças do homem que amava, ela acredita que é a hora de retomar sua vida e voltar para casa  –  mesmo sabendo que a antiga cidade, a casa e até mesmo os amigos, lhe trarão de volta recordações difíceis de suportar.

   "Eu a amava mais do que ela poderia imaginar. Se não fosse por ela, com certeza já teria me rendido ao luto. Emma salvou minha alma."

   Voltando para casa, Lizzie se distrai com a filha e atropela o cachorro de Tristan, Zeus. Completamente atordoado com a possibilidade de perder o cachorro e a única coisa que lhe resta da antiga família, Tristan a trata com grosseria e apenas por falta de opção aceita a carona que ela lhe oferece até o veterinário.

   Mesmo após receber ajuda de Elizabeth e saber que Zeus não corre nenhum risco, ele a trata com rispidez e os dois vão pra casa com a certeza de que não querem se encontrar de novo –  o que aconteceria, se eles não fossem vizinhos.

   Elizabeth volta a trabalhar na lanchonete com sua melhor amiga e reencontra o melhor amigo do marido, Tanner. Ela começa a se reencontrar e ao mesmo tempo sente uma curiosidade crescente em relação ao vizinho. Fechado e solitário, ele corre descalço com seus fones de ouvido, trabalha na loja inusitada do Sr. Henson e com seu estilo lenhador e modo rude, tem fama de perigoso entre os moradores da pequena cidade, mas ela descobre que eles têm muito em comum e que ele é apenas um homem perdido na própria dor. Ao contrário dela, ele não possui mais nada em que se apoiar.

   Aos poucos eles se aproximam e se sentem confusos quando descobrem que sentem atração um pelo outro. A atração entre eles fica cada vez mais forte e eles se envolvem, buscando desesperadamente achar um no outro a pessoa amada que perderam.

   "Devíamos ter parado naquela noite. Devíamos ter pensado que era horrível nos lembrar de Steven e Jamie dessa forma, usando um ao outro. Éramos bombas-relógio, prestes a explodir."

   O livro é emocionante, mas confesso que me decepcionou um pouco. O livro é previsível e, apesar do que ouvi em relação a ele, não o achei fascinante, apesar de a escrita ser envolvente e ficarmos ansiosos para saber o que vai acontecer e como os personagens vão agir em determinadas situações.

   Outra coisa que me incomodou bastante foi a escolha de palavras. Não sei se é um erro de tradução, mas achei alguns diálogos bem forçados, principalmente entre Lizzie e a melhor amiga, Faye.

   O livro é sobre perda e como lidamos com a dor de perder quem se ama. É emocionante em muitos momentos e algumas pessoas podem se identificar muito com os personagens. Faye é engraçada e Emma é muito fofa, os protagonistas são apaixonantes e há uma reviravolta inusitada no final.

   Apesar de não ter superado minhas expectativas, é um livro gostoso de ler e entendo por que tantas pessoas se apaixonaram por essa história. Vale a pena ler e tirar suas próprias conclusões.