m/glpbb7a/odhnldmus/postagensrelacionadasparablog.js' type='text/javascript'/>

17 agosto 2017

Reflexões e porque fiquei alguns dias sem postar

| |

Foto: Acervo pessoal
   É engraçado como as coisas nunca acontecem como queremos ou imaginamos. Quando menos esperamos verdadeiras bombas caem em cima de nós, nos derrubam e nos fazem repensar em como estamos vivemos nossas vidas e no que realmente é importante. Fazemos planos, traçamos metas, pensamos tanto no futuro e as vezes esquecemos do presente, da única coisa que realmente está ao nosso alcance, o agora.

   Quando esse mês começou tinha planos para o BEDA e para a Faculdade, tudo corria bem, estava focada, conseguindo conciliar tudo aquilo que queria e de repente me vejo em um furacão de emoções, de medo e desespero. 

   No final de semana passado fui viajar com meu marido e meu filhinho de nove meses, meu marido foi visitar os parentes e levamos o pequeno para ver os bisavós, voltando no domingo às 10 horas da noite. Às duas e dez da noite da segunda feira, dez minutos após chegar em casa a hérnia esquerda do meu filho encarcerou. 

   A cerca de quase dois meses atrás a hérnia direita encarcerou e vivemos momentos de agonia, levei-o para o hospital vomitando, fraco, sem conseguir abrir os olhos, tremendo de dor e não foi diferente dessa vez. Tivemos que ser transferidos porque moramos no interior e como da outra vez não conseguimos vaga em um Hospital com recurso para receber meu filho, tivemos que fazer a cirurgia em Guanhães, mesmo não tendo UTI, mesmo correndo um grande risco.

   As horas que ele ficou no bloco cirúrgico foram desesperadoras, mas ainda sim, havia inúmeras pessoas em situações muito piores, pessoas que não voltariam para casa e pessoas que teriam de conviver com a falta da pessoa que perderam.

   Nesses momentos penso na quanto reclamamos de tão pouco, no quanto momentos de dificuldade nos abalam, no quanto somos frágeis e indefesos, no quanto deixamos de aproveitar o que temos e no quanto não nos damos conta de quão rápido o tempo passa. Não temos controle do que vai acontecer, não sabemos a hora em que vamos partir e por mais que pareça antiquado ou repetitivo, devemos sim aproveitar cada segundo como se fosse o último.

   Devemos sorrir, amar, sonhar, demonstrar amor, dizer Eu te amo, fazer o que queremos, viver cada instante hoje, agora, assim quando o tempo passar vamos ter certeza que realmente vivemos e vivemos maravilhosamente.

   Alivio? Foi quando ouvi o chorinho fraco do meu menininho e pude carregar ele no colo, acalmá-lo e saber que teria mais tempo, mais tempo para abraça-lo, para ouvi-lo dizer mamãe, par ver aquele sorriso lindo e aqueles olhinhos doces. 

   Não sabemos porque as coisas acontecem, mas sei que podemos tirar um ensinamento de tudo aquilo que vivemos. Eu sei que amadureci, fiquei mais forte, sei que repensei muitas coisas e agradeço a Deus por tudo o que ele tem feito, agradeço pelas pessoas que passaram pela minha vida, pelas pessoas que conheci e pelas lições de vida de cada uma delas.

   Agradeço ainda por meu filho estar dormindo tranquilamente e por saber o quanto viver e aproveitar cada momento é valioso.